Ler para poder crescer – Colégio Parthenon

Ler para poder crescer

E agora? Como enfrentarei os desafios do 6º ano?
1 de novembro de 2018
Um currículo infantil de gente grande
1 de novembro de 2018

No Parthenon, o incentivo à leitura é um capítulo a parte.

Incentivar o processo de escrita dos nossos alunos, ampliar o seu repertório de conhecimentos, construir um acervo de registros de leituras de cada um. Esses são os objetivos principais do projeto “Minhas Memórias de Leituras”, representado por cadernos em que os alunos do 2º ao 5º ano colocam suas impressões pessoais sobre os livros que leram ao longo do período.

A professora em roda comunica, desde o 2º ano, a “sua melhor maneira” de realizar o registro dos livros lidos. Num segundo momento, ela orienta como essa escrita pode ser feita após a leitura do livro da roda com as marcas do aluno e contemplando sua identidade de escrita. Informa também que a correção ortográfica não se fará necessária, mas que, em caso de dúvida, boas conversas podem acontecer. Essas etapas visam traçar caminhos de aprendizagens sem deixar de lado a inteligência de cada criança. Saliente-se que os alunos trazem para a sala de aula questões legítimas – algumas delas de grande relevância – ao pensar na escrita. Mesmo os alunos mais novos que ainda não tenham consolidado a questão da escrita alfabética são encorajados a deixar suas impressões, que devem ser respeitadas pois são construídas pelas crianças durante o processo de leitura.

A cada semana, um livro segue para casa e é lido, ora com a família, ora apenas pelo aluno, e, ao final dessa ação, a professora orienta a troca dos livros e a escrita nos cadernos. Em outro momento, quando os alunos apresentam uma autonomia maior frente aos registros, é solicitado que a proposta de escrita seja feita em casa e, depois, socializada em sala de aula. Durante esse processo de troca, alguns acordos são realizados: o aluno deve ilustrar se acreditar que é importante; registrar o que julgar relevante; inserir a impressão que o livro deixou e ser sincero, pois o leitor tem o direito de não gostar do que está lendo e tem o poder de trocar o livro quando julgar necessário. Não é preciso indicar o livro, uma vez que o suporte não permite esse tipo de divulgação.

Não haveria registro de memórias se não houvesse bons livros para leitura. Dessa forma, no Ensino Fundamental I, são construídos acervos todos os anos, levando em consideração os títulos que as crianças trazem. Em cada turma há, em média, 50 livros que garantem a diversidade de textos de boa qualidade uma vez que, no início do ano letivo, há uma seleção de publicações indicadas pela instituição e o aluno traz um exemplar escolhido por ele, de acordo com a turma em que se encontra. Acredita-se que o contato com boas leituras, em ambientes descontraídos e em companhia dos amigos, possa também auxiliar na construção de um leitor competente. A escola propicia a oportunidade de um primeiro encontro com as obras escritas na esperança de que o contato seja sedutor, atraente e tentador. Se a experiência for relevante, ela irá redundar na construção de uma lembrança (mesmo vaga) que ficará por toda a vida. Sem contar que o bom repertório formado durante os anos escolares servirá como base para as escolhas futuras e permitirão a exploração de territórios ricos que favorecem a ligação entre uma leitura presente e as leituras passadas. Convém acentuar que a infância é uma fase extremamente lúdica da vida e que, nesse momento da existência humana, a gente faz a festa é com uma boa história bem contada.

Fala-se que o caderno de “Minhas Memórias de Leituras”, pode vir a ser uma relíquia no futuro, pois os registros de tudo que foi lido nesse segmento será guardado para toda vida. Encontro é a palavra chave para a descoberta da boa escrita e a escola da contemporaneidade deve promovê-lo por meio da construção de espaços em que convivam o prazer, os amigos, o interesse, o desconforto e a intencionalidade que a leitura traz. Durante o percurso acadêmico dos alunos no Ensino Fundamental I, são realizadas inúmeras escritas nesse suporte e, ao final do 5º ano, é possível constatar a qualidade, a quantidade e a grandiosidade do mundo da leitura na vida deles. Há crianças que, ao longo desse período, realizam a leitura de mais de setenta livros seguidos de registros o que demonstra a eficácia dessas estratégias que ocupam lugar especial dentro do segmento.

Agora, divirta-se com alguns registros realizados no ano passado pelos alunos do Fundamental I.