Geometria como elemento do sensível

Meu filho está indo para o 2º ano, quantas dúvidas, angústias…
8 de novembro de 2018
Leituras, conquistas e algumas brincadeiras.
6 de fevereiro de 2019

Para orientar o planejamento de situações de aprendizagens que garantam o desenvolvimento de cada aluno como ser global, em 2018 foi publicada a Base Nacional comum Curricular – BNCC – para a educação infantil e ensino fundamental.

A BNCC apresenta um conjunto de dez competências que se inter-relacionam e perpassam todos os componentes curriculares ao longo da educação básica. Em uma dessas competências, os autores do documento declaram que cada estudante deve ser capaz de utilizar conhecimentos das linguagens verbal (oral e escrita) e/ou verbo-visual (como libras), corporal, multimodal, artística, matemática, científica, tecnológica e digital para expressar-se e partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos em diferentes contextos e, com eles, produzir sentidos que levem ao entendimento mútuo.

Com esse fim proposto pela BNCC, a Professora de Matemática Vanessa Lopes propôs aos estudantes dos oitavos anos a produção de uma exposição inspirada nas obras de Rubem Valentim como parte do projeto A criação de Formas Geométricas baseadas na cultura afro-brasileira. Esse projeto visou proporcionar uma experiência que permitisse que os estudantes reconhecessem e construíssem figuras obtidas por meio de composições de transformações geométricas (translação, rotação e reflexão), com o uso de instrumentos de desenho e vinculasse esse estudo a representações planas de obras de arte.

Rubem Valentim nasceu em Salvador no ano de 1922 e morreu em São Paulo em 1991. Negro e “homem do povo”, o artista viveu intensamente a cultura popular afro-baiana. Ele definiu seu projeto como a busca por uma “riscadura brasileira”, uma linguagem ancorada em raízes nacionais que teve como matéria prima signos das religiões afro-brasileiras e do catolicismo. Tudo em conformidade com uma sintaxe internacionalmente inteligível, que nasceu da adoção explícita da abstração geométrica como código expressivo.

Os alunos, após uma leitura das principais telas do artista, apresentaram suas impressões com o uso da técnica colagem sobre papel. De acordo com a BNCC, as artes visuais possibilitam aos alunos explorar múltiplas culturas visuais, dialogar com as diferenças e conhecer outros espaços e possibilidades inventivas e expressivas, de modo a ampliar os limites escolares e criar novas formas de interação artística e de produção cultural concretas ou simbólicas.

Em novembro, fechamos o projeto com a visita à exposição Construções afro-atlânticas que reuniu, no MASP 90, obras de Rubem Valentim com curadoria de Fernando Oliva.

A Arte permite o aprofundamento das aprendizagens nas diferentes linguagens, com vistas a possibilitar aos estudantes maior autonomia nas experiências vividas. Quem quiser explorar um pouco desse universo poderá ir ao MASP, a exposição fica em cartaz até 10 de março de 2019.

Eneias Almeida Prado
Coordenador de Área – Matemática