Vale ouro! A importância do esporte na formação e amadurecimento dos jovens – Colégio Parthenon

Vale ouro! A importância do esporte na formação e amadurecimento dos jovens

“A diferença faz parthe”: Um projeto sem igual
25 de abril de 2019
Compartilhando emoções: a leitura literária em sala de aula
7 de maio de 2019

Gustavo Toledo, ex-aluno Parthenon, ao lado do campeão olímpico Arthur Zanetti e dos demais membros da equipe de Fisioterapia da Confederação Brasileira de Ginástica.

Não é só nas Olimpíadas de Matemática e Física que o Parthenon faz bonito. Tivemos um representante na última edição dos Jogos Olímpicos, no Rio de Janeiro. O fisioterapeuta Gustavo Toledo saiu das nossas salas em 2005, mas continua a nos orgulhar. Membro da equipe de Fisioterapia da Confederação Brasileira de Ginástica, Gustavo participou dos Jogos Olímpicos do Rio 2016, atuando diretamente com nossos medalhistas Olímpicos Arthur Zanetti e Diego Hypólito, entre outros. Veja a seguir uma entrevista exclusiva que fizemos com ele, publicada na Revista Parthenon em 2017.

1. Como o esporte pode ajudar na formação dos jovens?

O esporte é de extrema importância para os jovens pois, além de contribuir na formação de caráter e valores, pode trazer benefícios não só físicos, mas também em âmbito social e econômico, podendo até transformar a vida de uma família. Dentro do nosso país temos diversos exemplos de atletas, e não só no futebol, que tiveram o esporte como caminho para mudar de vida. Temos que reforçar sempre essa idéia, pois é um trabalho a longo prazo que necessita de muito apoio, e só com uma boa formação nas categorias de base que tudo isso pode acontecer.

2. Como incentivar o trabalho em grupo, a liderança e o desenvolvimento de estratégias através da prática esportiva?

Através da prática esportiva, podemos mostrar ao jovem que é muito complicado, se não impossível, alcançar um objetivo sozinho, por mais habilidoso que ele seja. Por isso podemos nos unir com pessoas que têm esse mesmo objetivo, utilizando a individualidade e habilidades de cada um para que todos possam alcançar o mesmo resultado. Mas, caso esse resultado seja de certa forma negativo, vale mostrar que temos sempre um aprendizado.

3. Como o esporte pode ajudar a prevenir a obesidade infantil?

Nosso corpo e todas as nossas funções necessitam de uma coisa básica: movimento. A falta do exercício e do movimento podem gerar muitos transtornos ao corpo, e a obesidade é um deles.

O movimento faz parte de nossa natureza e, por isso, eu acredito que tudo depende do estímulo certo. O jovem precisa encontrar o exercício que mais lhe atrai e que mais lhe dá vontade de praticar. E, ao perceber os benefícios que o esperte pode proporcionar, logo o estilo de vida começa a mudar, também.

Temos que ter a consciência que esse estímulo deve vir primeiramente de casa, tanto o incentivo ao esporte quanto ao estilo de vida saudável pois somos exemplo para os mais jovens.

4. Como o esporte pode ajudar no dia a dia de crianças hiperativas?

O esporte pode ajudar muito nesses casos, pois é um meio de canalizar e direcionar melhor a energia dessas crianças. Mas o mais importante é que o esporte escolhido seja a princípio simples, de fácil entendimento, que não deixe a criança muito tempo parada durante a prática e que traga interesse, pois a hiperatividade está acompanhada do déficit de atenção. Um dos casos mais famosos é do Michael Phelps, que, quando diagnosticado, foi aconselhado a começar na natação e hoje sabemos o tamanho sucesso que ele alcançou.

5. Como incentivar a ética no ambiente esportivo onde vemos atletas que não respeitam as regras, simulam faltas ou se dopam?

Acredito que o principal nesses casos é mostrar que eles vão ter que assumir as consequências dos atos que eles tomaram, por isso existe a disciplina e as regras dentro de cada esporte. Caso eles não respeitem as regras, podem ser penalizados e além de tudo prejudicar a sua equipe, interferindo diretamente no objetivo coletivo, ou seja, mostrar que outras pessoas podem pagar o preço dos seus atos.

Nos casos de doping, além do prejuízo ético e social, devemos lembrar quais são os prejuízos físicos, muitas vezes irreversíveis e que podem acabar com uma carreira esportiva.

6. Como incentivar a prática de esportes num mundo cada vez mais digital, onde os jovens estão sedentários e precisam se exercitar?

Acredito que para incentivar, os jovens devem passar por várias modalidades até encontrar alguma em que realmente eles se encaixam e que despertem o interesse, e o papel dos pais e professores nessa etapa é muito importante. Além de tudo, precisamos expor as consequências do sedentarismo e também o quanto a tecnologia pode ajudar e quando ela começa a prejudicar nosso dia a dia. Ou seja, o uso da tecnologia precisa ser controlado.

7. Como incentivar a prática esportiva entre as adolescentes, que precisam do exercício físico, mas muitas vezes sentem vergonha do próprio corpo e são desestimuladas a se expor com as mudanças da idade?

Seria interessante mostrar para esse grupo que o esporte não está diretamente ligado aos padrões de beleza que a sociedade impõe. Existem várias atletas que dependem do peso corporal para poder competir, como no caso das judocas, levantadoras de peso, entre outras, e que precisam de um acompanhamento às vezes para que não percam peso.

Um dos casos bem interessantes que podemos ver recentemente é da Suelen, jogadora de vôlei profissional (SESI-SP), que independentemente de qualquer coisa, é uma ótima jogadora e que quebrou o preconceito de muita gente.

8. Qual conselho você daria para os pais dos alunos que não gostam de praticar nenhuma atividade física?

O conselho que dou para esses pais é: que tipo de futuro você deseja para seu filho? Acredito que o melhor possível, certo? Tudo depende do exemplo e estimulo que os jovens recebem dentro dos ambientes que eles convivem, e a papel dos pais dentro de casa é muito importante. Convido os pais que não gostam de atividade física a procurar alguma que lhe traga prazer e desperte o interesse. Existem muitas modalidades esportivas de fácil acesso hoje em dia! E ao mesmo tempo, por que não convidar o seu filho a fazer parte disso com você? Garanto que o benefício vai ser muito além do físico!

9. Como o esporte pode incluir crianças com necessidades especiais no cotidiano dos demais alunos?

Antes de tudo, eu digo uma coisa: Jogos Paralímpicos! Eles já mostraram para todo o mundo que não há limites dentro do esporte. Que as pessoas com necessidades especiais devem ser tratados de igual para igual, e dentro do esporte eles podem demonstrar isso! Através do esporte, a criança com necessidade especial pode perceber que ela pode sim fazer parte de um todo, de um time.

Esporte para a vida toda!

No Parthenon, os alunos são incentivados a praticar esportes desde cedo. Atualmente, o colégio oferece a prática de mais de 10 modalidades, desde as mais populares como futebol e vôlei, até outras mais difíceis de encontrar, como ginástica artística e capoeira. Nossas crianças e jovens também são estimuladas a participar de jogos escolares e eventos amistosos que estejam adequados à sua faixa etária, contribuindo para sua socialização, saúde e disposição física.

Por Rodrigo Minêu